Seja muito bem vindo(a) a AMAM  - 
 
 
 
NOTÍCIAS DE CURRALINHO
01/09/2014
Curralinho
RIBEIRINHOS DE CURRALINHO FAZEM A CAPTURA DO CAMARÃO COM MANEJO SUSTENTÁVEL.
 

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) auxilia 100 extrativistas de camarão da Ilha das Araras, localizada a cerca de seis horas de barco da sede do município de Curralinho, no Marajó, no manejo sustentável na retirada dos crustáceos do Rio Pará, e assim garantir o desenvolvimento adequado da atividade. No período de um ano, estima-se que os extratores retirem semanalmente mais cinco toneladas de camarão, incrementando a renda familiar.

A demanda chegou aos técnicos da Emater depois que os extrativistas se depararam com uma queda brusca na produtividade. Segundo o engenheiro de pesca que atende a comunidade, Gustavo Lima, a reclamação era também pela diminuição do tamanho do camarão, o que impactava o rendimento das famílias. Antes de constatar a queda na produtividade, as famílias retiravam juntas por semana uma média de cinco toneladas, que eram vendidas para os mercados de Belém e Abaetetuba.

Um projeto foi elaborado pela Emater para que os ribeirinhos pudessem ter a fonte de renda restabelecida. Com o manejo sustentável, os extrativistas mudam a forma de captura do crustáceo, observando o tamanho do animal. “Eles usando o matapi com um espaçamento entre as talas, assim, os camarões de tamanho pequeno acabam por serem automaticamente liberados, ficando dentro apenas os que têm tamanho médio para serem retirados”, explica Gustavo Lima.

O engenheiro de pesca diz também que não será de imediato que os extrativistas terão o retorno da produtividade. “Formalizamos o projeto para que, no prazo de um ano, eles possam superar a marca de cindo toneladas, mas é preciso seguir à risca a técnica do manejo sustentável. Estamos aos poucos sensibilizando nosso público para que haja uma adesão cada vez maior”, reforça.

Uma alternativa que está sendo aos poucos difundida entre os extrativistas de camarão é o ingresso na piscicultura. Dois projetos já foram elaborados e internalizados no agente financeiro, e aguardam liberação, para povoar dois tanques escavados com tambaqui. A estimativa é que sejam pescadas quatro toneladas de pescado no término do primeiro ciclo produtivo.

Fonte: AGPA.

Comunicação/AMAM
  
  
 
« Voltar
 
 
Oeiras do Pará
 
Desenvolvido por:
Associação dos Municípios do Arquipélago do Marajó
End: Travessa 3 de maio, 2389
Cremação - Telefone: (91) 3213-8000