Seja muito bem vindo(a) a AMAM  - 
 
 
 
NOTÍCIAS DE PORTEL
01/11/2012
Portel
PORTEL RETIRA DAS RUAS CRIANÇAS CARENTES
 

Com a inauguração da sede do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), uma pareria do Governo Federal, através do Ministério do Desenvolvimento Social e da Prefeitura Municipal de Portel, foram retiradas das ruas da cidade 178 crianças que viviam da mendicância ou de pequenas vendas em ruas e bares.

 

O novo prédio tem mais de 400 m² de área construída com salas para reforço escolar, quadra de esportes e lazer, espaços de convívio das crianças com seus familiares, uma ampla cozinha que serve lanches e almoço e a área administrativa.

 

Segundo Élida Cavancante de Matos, coordenadora do programa, o trabalho começa com uma equipe de educadores que  vão às ruas monitorar e cadastrar crianças que vendem  produtos diversos para ajudar na renda familiar ou apenas mendigam. Elas são levadas para a sede do projeto onde passam a ter várias atividades educativas e lúdicas e ainda recebem 70 reais mensais para permancer ali.

 

As famílias são contactadas e passam a ter maior entrelaçamento com os filhos naquele ambiente e são cadastradas para receber o auxílio do Bolsa Família, sempre acompanhadas pelas assistentes sociais que trabalham no programa.

 

“As crianças não querem mais sair daqui porque são respeitadas em sua dignidade e cidadania” reconhece o diretor do programa, Jersulino Barros. Ele aponta as aulas de capoeira, o coral de vozes formado pela garotada, as atividades educacionais como o reforço escolar que amplia conhecimentos e garante boas notas na escola e principalmente o convívio fraterno com colegas e técnicos a razão desse despertar para uma vida melhor.

O programa ainda oferece passeios ecológicos e de lazer voltados para a preservação do meio ambiente, a relação de respeito, amizade e consideração, valores importantes para a formação do caráter dos  cidadãos do futuro, segundo Jersulino.

 

O programa pretende se instalar no interior onde há exploração do trabalho infantíl pela própria família que utiliza a mão de obra das crianças e jovens para ajudar na lavoura da mandioca, produção de farinha, pesca e atividades extrativistas. “É uma prática que ultrapassa gerações e difícil de ser trabalhada, até com os próprios jovens que se sentem peça importante nessa estrutura de sobrevivência", destaca Élida. Tanto é que as próprias escolas estabelecem um calendário diferenciado nos períodos de plantio e colheita para que os estudantes não percam o ano letivo enquanto ajudam suas famílias no campo.

 

Pedro Medina 

  
  
 
« Voltar
 
 
Oeiras do Pará
 
Desenvolvido por:
Associação dos Municípios do Arquipélago do Marajó
End: Travessa 3 de maio, 2389
Cremação - Telefone: (91) 3213-8000