Seja muito bem vindo(a) a AMAM  - 
 
 
 
 NOTÍCIAS
03/04/2018
Variados
PARÁ 2030 APOSTA NO CRESCIMENTO DE 50% NA CADEIA DO AÇAÍ
 

Produto tradicional e um dos principais da mesa do paraense, o açaí é majoritariamente produzido no Pará. Com o objetivo de discutir a produção e outras etapas da cadeia do fruto no estado, o Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá recebeu nesta segunda-feira (2), no auditório do Espaço Inovação, secretários de Estado, representantes do PCT e produtores locais.

Uma das questões discutidas no evento tratou da participação do fruto no Programa Pará 2030. O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), já trabalha o açaí como um dos principais produtos do programa, contemplando ações de desenvolvimento, bem como de verticalização, a partir de 14 cadeias de produção.

O titular da Sedeme, Adnan Demachki, falou a respeito das expectativas da cadeia do açaí para os próximos anos. “Esse fruto traz muitos benefícios para o Estado. Entre os pontos positivos pode-se considerar o beneficiamento da agricultura familiar. Além disso, na atualidade, o Pará produz mais de um milhão de toneladas desse fruto. Com a política implantada para essa cadeia, a expectativa é que, até 2030, a produção do açaí aumente em 50%”, destacou o secretário.

O professor e pesquisador Hervé Rogez, do Centro de Valorização de Compostos Bioativos da Amazônia, instalado no parque, falou sobre as características dos principais tipos de açaí e frisou alguns pontos: “O açaí varia consideravelmente na sua composição, por conta da quantidade de água envolvida. Sobre os açúcares é sempre importante lembrar que, no fruto, essa substância é muito baixa. Outro ponto é a importância da pasteurização para a destruição do trypanosoma cruzi”, destacou Hervé Rogez.

O açaí também carrega muitas lendas. Uma delas é a de que o fruto pode viciar os seus consumidores. “Sobre isso, até o momento, não há evidências que possibilitem afirmações. O açaí é diverso. Há, por exemplo, o de várzea e o de terra firme. O que pode ser dito é que há tipos de açaí que talvez viciem e outros não. De qualquer forma, ainda não há nada que comprove isso”, disse Hervé Rogez.

O debate também contou com a participação de produtores locais, entre eles Odemar Coutinho Filho, que possui uma plantação de açaí em Benfica. Para ele, hoje, a produção no estado é insuficiente. Além disso, ele enxerga o produto sob duas perspectivas. “De fato, na atualidade, o açaí apresenta uma produção insuficiente no Pará, porém a expectativa é que, daqui a cinco anos, essa produção aumente. Até porque, o processo de plantio é longo. Para os produtores, os preços estão bons. Estou vendendo uma lata a R$ 60,00 e tenho um bom retorno. Agora, para o consumidor, penso que o valor está alto”.

Fonte: AGPA

Comunicação/AMAM
 
  
 
« Voltar
 
 
Oeiras do Pará
 
Desenvolvido por:
Associação dos Municípios do Arquipélago do Marajó
End: Travessa 3 de maio, 2389
Cremação - Telefone: (91) 3213-8000